Não tenho medo da morte, de Gilberto Gil

Gilberto Gil produziu a fúnebre e estranha canção Não tenho medo da morte numa viagem à Espanha, no meio da noite, a partir de "alguma sensação", logo transformada em versos sobre "morrer vivendo". Gil despojou sua canção de quase tudo: a instrumentação é reduzida a uma percussão esparsa no próprio violão e uma nota – só um bordão, uma vez a cada fim de estrofe ‒, sem harmonia, nua. Para falar do momento da morte, Gil literaliza na interpretação o próprio momento em que se está inteiramente só, e todo e qualquer acessório é inútil.

Por um lado, o futuro é a diversidade; por outro, não há como fugir da morte: um presente do futuro, um estranho presente, pois "a morte é depois de mim". O medo que assombra o sujeito da canção é o medo de morrer antes de acabar o que lhe cabe viver, de morrer dentro da vida, pois, afinal, "quem vai morrer sou eu / o derradeiro ato meu / e eu terei de estar presente". Invariavelmente no presente, mesmo se voltado para o depois: "morrer ainda é aqui".

    DERIVAS ANALÍTICAS agradece a Gilberto Gil, que gentilmente nos autorizou a publicação da letra da música Não tenho medo da morte, da Gege Edições / Preta Music (EUA & Canadá) e a exibição do vídeo com sua apresentação (licenciado para o Youtube por UBEM, LatinAutorPerf, BMI - Broadcast Music Inc.)    

 

Não tenho medo da morte

Não tenho medo da morte
Mas sim medo de morrer
Qual seria a diferença
Você há de perguntar
É que a morte já é depois
Que eu deixar de respirar

Morrer ainda é aqui
Na vida, no Sol, no ar
Ainda pode haver dor
Ou vontade de mijar

A morte já é depois
Já não haverá ninguém
Como eu aqui agora
Pensando sobre o além

Já não haverá o além
O além já será então
Não terei pé, nem cabeça
Nem fígado, nem pulmão
Como poderei ter medo

Se não terei coração?

Não tenho medo da morte
Mas medo de morrer, sim
A morte é depois de mim
Mas quem vai morrer sou eu
O derradeiro ato meu
E eu terei de estar presente
Assim como um presidente
Dando posse ao sucessor

Terei que morrer vivendo
Sabendo que já me vou

Então nesse instante então
Sofrerei quem sabe um choque
Um piripaque, ou um baque
Um calafrio ou um toque

Coisas naturais da vida
Como comer, caminhar
Morrer de morte matada
Morrer de morte morrida
Quem sabe eu sinta saudade
Como em qualquer despedida

 

 

 

 Imprimir